Domingo, 7 de Fevereiro de 2010

Júlia Rodrigues a mais comentada

Com dois meses de vida deste espaço, o post de Júlia Rodrigues, é de longe o mais comentado.

Não pretendendo transportar isto para outras situações, a verdade é que esta personalidade de Mirandela, arrebatou a grande maioria dos comentários sejam eles de apoio ou de crítica.

Quererá isto dizer alguma coisa??!! A ver vamos…

  

 

tags: ,
publicado por opinantes às 19:31
link | comentar | ver comentários (10) | favorito
Sábado, 6 de Fevereiro de 2010

O despacho do juiz de Aveiro que o PGR não teve dúvidas em esconder

Sucede que do teor das conversações interceptadas aos alvos Paulo Penedos e Armando Vara resultam fortes indícios da existência de um plano em que está directamente envolvido o Governo para interferência no sector da comunicação social visando o afastamento de jornalistas incómodos e o controlo dos meios de comunicação social, nomeadamente o afastamento da jornalista Manuela Moura Guedes, da TVI, o afastamento do marido desta e o controlo da comunicação do grupo TVI, bem como a aquisição do jornal Público com o mesmo objectivo e, por último, mas apenas em consequência das necessidades de negócio, a aquisição do grupo Cofina, proprietário do Correio da Manhã......

João Marques Vidal

Aveiro, 23/06/2009

publicado por opinantes às 00:00
link | comentar | favorito
Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

“O fim da linha” artigo de opinião de Mário Crespo

Mas que país é este? Como cidadãos livres também não nos podemos calar.

Por isso publicamos o artigo de opinião de Mário Crespo.

Terça-feira dia 26 de Janeiro. Dia de Orçamento. O Primeiro-ministro José Sócrates, o Ministro de Estado Pedro Silva Pereira, o Ministro de Assuntos Parlamentares, Jorge Lacão e um executivo de televisão encontraram-se à hora do almoço no restaurante de um hotel em Lisboa. Fui o epicentro da parte mais colérica de uma conversa claramente ouvida nas mesas em redor. Sem fazerem recato, fui publicamente referenciado como sendo mentalmente débil (“um louco”) a necessitar de (“ir para o manicómio”). Fui descrito como “um profissional impreparado”. Que injustiça. Eu, que dei aulas na Independente. A defunta alma mater de tanto saber em Portugal. Definiram-me como “um problema” que teria que ter “solução”. Houve, no restaurante, quem ficasse incomodado com a conversa e me tivesse feito chegar um registo. É fidedigno. Confirmei-o. Uma das minhas fontes para o aval da legitimidade do episódio comentou (por escrito): “(…) o PM tem qualidades e defeitos, entre os quais se inclui uma certa dificuldade para conviver com o jornalismo livre (…)”. É banal um jornalista cair no desagrado do poder. Há um grau de adversariedade que é essencial para fazer funcionar o sistema de colheita, retrato e análise da informação que circula num Estado. Sem essa dialéctica só há monólogos. Sem esse confronto só há Yes-Men cabeceando em redor de líderes do momento dizendo yes-coisas, seja qual for o absurdo que sejam chamados a validar. Sem contraditório os líderes ficam sem saber quem são, no meio das realidades construídas pelos bajuladores pagos. Isto é mau para qualquer sociedade. Em sociedades saudáveis os contraditórios são tidos em conta. Executivos saudáveis procuram-nos e distanciam-se dos executores acríticos venerandos e obrigados. Nas comunidades insalubres e nas lideranças decadentes os contraditórios são considerados ofensas, ultrajes e produtos de demência. Os críticos passam a ser “um problema” que exige “solução”. Portugal, com José Sócrates, Pedro Silva Pereira, Jorge Lacão e com o executivo de TV que os ouviu sem contraditar, tornou-se numa sociedade insalubre. Em 2010 o Primeiro-ministro já não tem tantos “problemas” nos media como tinha em 2009. O “problema” Manuela Moura Guedes desapareceu. O problema José Eduardo Moniz foi “solucionado”. O Jornal de Sexta da TVI passou a ser um jornal à sexta-feira e deixou de ser “um problema”. Foi-se o “problema” que era o Director do Público. Agora, que o “problema” Marcelo Rebelo de Sousa começou a ser resolvido na RTP, o Primeiro Ministro de Portugal, o Ministro de Estado e o Ministro dos Assuntos Parlamentares que tem a tutela da comunicação social abordam com um experiente executivo de TV, em dia de Orçamento, mais “um problema que tem que ser solucionado”. Eu. Que pervertido sentido de Estado. Que perigosa palhaçada.


Retirado de http://www.publico.clix.pt/Pol%C3%ADtica/o-artigo-de-opiniao-de-mario-crespo_1420782

publicado por opinantes às 00:19
link | comentar | ver comentários (5) | favorito

.últ. comentários

Yessssssssss
Venho a expor que o clube não vale o que muita gen...
Ouve lá!!!! Aonde tens andando!!!!Já não é como e...
Porque será que os nossos amigos eruditas do litor...
Não vou comentar esta monstruosidade. Todavia não ...
Bom... que dizer disto!?!?!?É complicado ser suave...
Nõ podia estar mais de acordo com o Pedopsiquitra ...
PSP conclui que Leandro não se queria matarO perf...
Concordo em absoluto. Ainda há portugueses que se ...
"José Sócrates volta a negar aumento de impostos"H...

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. Já será altura de sair do...

. Não fomos embora, andamos...

. Deixem de desviar o que t...

. Que pensar disto...

. Diferença entre important...

. Temos de dar a independên...

. ...

. Solidariedade com a famil...

. Também já somos famosos!!

. Cavaco defende programa d...

.arquivos

. Abril 2013

. Dezembro 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

.tags

. todas as tags

.links

.mais comentados